Tá fácil julgar uma mãe.

Essa semana eu li um texto em um blog sobre os julgamentos e culpas que nós mães “sofremos” e esse texto resumiu a minha maternidade do momento, eu li esse texto, sentada no sofá como se um trem tivesse passado por cima de mim depois de um dia interminável, e me identifiquei muito, e só o que pensava era “Eu não sou a única!”

Quando eu tive o Noah tive momentos nesses 5 anos de cansaço intenso, mas nada, nada comparado a esses dois ultimos anos, o trabalho agora é duplo, mas a Luana veio pra chacoalhar a minha rotina e as minhas (in) certezas!

O Noah foi um desses bebês de darem inveja a qualquer mãe, com 3 meses ele passou a dormir das 7 da noite as 6:30 da manha, tinhamos uma rotina perfeita, mama, papa, nana, tudo lindo, e até hj nunca me deu trabalho pra dormir, nem mesmo quando tiramos a chupeta ou quando com 1 ano e meio ele mesmo largou a mamadeira (momento orgulho da mamãe).

Ai chegou a Luana, quietinha, mas sempre chorona, ela demorou até seus 7/8 meses pra dormir uma noite inteira, sei que tem crianças que vão mto além desse tempo, mas meu parâmetro de bebê era outro. Ela até hoje de tempos em tempos, solta um parafuso, e reclama a noite toda, sem motivo aparente nenhum!
Ela me faz passar vergonha no restaurante, no shopping, no supermercado, em qualquer lugar! Já saí com ela aos berros de tantos lugares que já perdi a conta. Eu sempre fui bem brava, mas a Luana dá o seu jeitinho pra quase tudo! E quando não tem jeito, ela chora, chora, chora, incansavelmente, e aí você faz o que? Bate? Bota de castigo? Sai andando? Ela vai continuar chorando, mas em um volume 10 vezes mais alto.

Voltando ao meu dia interminável, ele começou cedo como todos os dias, era meu dia de massagem, yey! E também aniversario do Noah. Mas aí as coisas foram se invertendo, acabei ficando sozinha com as crianças, fiz massagem com eles em volta, gritando, pulando, brigando….massagem terminada.
Fomos ao cinema, ficaram sentados o tempo que a pipoca durou, Luana deitou no corredor, pulou, gritou…sessão terminada, casa, e soninho do dia pra Luana. A tarde fomos ao parque, na hora de ir embora, ela nao gostou, esperneou tanto a ponto de eu ter que segura-la forte pra conseguir prender seu cinto, Noah com os dedos no ouvido tentando abafar o som dos gritos, da Luana, os meus estavam ainda em pensamento, e eu só queria sair dali, dei ré no carro, uma moça gentilmente me pergunta se aquele carrinho deixado na rua era meu, sim eu fiz com a cabeça, e ali mesmo no banco do passageiro, o carrinho ainda aberto, ela colocou, e eu parando todo o transito da avenida atrás de mim. Luana consegue resmungar por horas sem parar, sabe mulher reclamando com o marido, é ela, até digo que ela “liga no automatico”, e assim fomos todos pra casa, no piloto automatico, da Luana. Chegando, lembrei que ainda tinha que pegar as comprar do super, tentando malabarar todas as sacolas em uma mão e a Luana em outra, a caixa de ovos foi se quebrando e eu sentindo gema por gema escorrer pelas pernas.

Maaaaaaas……nem todos os dias são assim, temos muitos momentos cor de rosa também, que fazem toda choradeira e birra valerem a pena, os beijos de boa noite, os abraços no meu ombro, o olhar de amor completo.
Cada filho é de um jeito, mesmo sendo criados da mesma maneira, pelos mesmos pais. E estamos aprendendo todos juntos, porque afinal um dia tudo isso vai passar, e com certeza vão restar as lembranças e as risadas, então o melhor a fazer é aproveitar os momentos e se deixar se descabelar de vez em quando.

Luana no "automático"

Luana no “automático”

Luana no cinema

Luana no cinema

Comentários

  1. Adorei Pri….. Vendo as fotos dessa delicia, nunca imaginei que fosse esse furacaozinho☺️…. É difícil né??…. Mas com certeza vc está fazendo tudo certo, eles parecem felizes, e nesse mundo maluco, o que mais precisamos são crianças felizes, que um dia se tornarão adultos fortes e seguros. Hang in there…. Passa rápido….. Enquanto isso abraça e beija muuuuuuuito❤️

Comentar