Touros

“1 de enero,

2 de febrero,

3 de marzo,

4 de abril,

5 de mayo,

6 de junio,

7 de julio es San Fermín!

A Pamplona hemos de ir!”

Foi dada a largada paras as festas mais internacionais e loucas da Espanha: San Fermín, na cidade de Pamplona, capital de Navarra. Serão 14 dias de loucura, que não deixam nada a dever ao Carnaval brasileiro. Destes 14 dias (haja fôlego!), durante oito dias, uma manada de touros bravos serão soltos pelas ruas apertadas do centro histórico da cidade e milhares de pessoas correrão na frente (e ao lado, e atrás, e debaixo…) destes touros. Uma maluquice que a cada ano atrai cada vez a mais turistas do mundo todo, que sempre acaba com vários no hospital e, eventualmente, algum morto.

Também foi dada a largada para todas as organizações em defesa dos animais promovam protestos contra esta cultura de matar animais para diversão. Sim, porque os touros de Pamplona, depois da corrida pela cidade, serão todos mortos na Praça de Touros . E não só lá, em praticamente todos os pueblos espanhois (cidadezinhas) há alguma festa em que inclui o sofrimento de algum animal. E falar deste assunto em uma mesa de bar aqui é arrumar confusão segura. Aqui é ame ou odeie! Não tem meio termo. E, felizmente, cada vez há mais gente que vê este tipo de maltrato como uma aberração.

Porque a tourada em si, em que o toureiro se enfrenta sozinho  a um touro gigante é a mais “justa” (se isto é possível) de todas as festas. Mas não são nem de longe as mais populares. Nos festejos de verão pelo país afora, o que mais se vê são as vaquillas, onde soltam uma vaca brava pelas ruas da cidade para ser perseguida pela população. Também estão os touros de fogo, em que colocam fogo nos chifres de um touro, soltam, para ser novamente perseguido pela multidão. E o mais horrível de todos, na cidade de Tordesillas (aquela em que um tratado dividiu o mundo entre Portugal e Espanha no século XV) está o Toro de La Vega, em que a população compete para ver quem mata com uma lança a um pobre animal assustado.

Mesmo em Barcelona, que hipocritamente aboliu as touradas há alguns anos, não proibiu estes outros festejos. A tradição dos touros de fogo está em quase todas as cidades do litoral da Catalunia. Proibir as touradas foi apenas um ato político, não uma defesa dos animais. As festas com animais estão tão arraigadas na cultura popular, que não é nada fácil lutar contras elas. Nenhum político quer se meter nesta confusão. Falta coragem.

Ontem,  vendo as imagens das ruas de Pamplona pela tv, Hugo disse:

“- Mas quem teve esta idéia idiota de soltar touros pela cidade?”

Pois é, Hugo. Não sabemos de quem foi a idéia idiota. Mas esperamos que mais crianças como você nasçam neste país. E que esta tradição, de matar por pura diversão, desapareça para sempre.

Toro de La Vega, na cidade de Tordesillas.

Toro de La Vega, na cidade de Tordesillas.

 

Touros de fogo em Catalunia.

Touros de fogo em Catalunia.

Comentar