Reencontros

A estradinha sinuosa que nos levava para uma de nossas praias preferidas (Maracaipe, Pernambuco) foi duplicada, privatizada e tem até pedágio. O tráfego de caminhoes é intenso a caminho do Porto de Suape. No meio do canavial agora se ergue um enorme Polo Petroquímico. Tudo mudou muito rápido e me deu a esperança que essa riqueza seja melhor distribuida e toda essa gente, que durante décadas dependeu exclusivamente da cana, possa ter salários e trabalhos dignos. Nacho disse que sou uma eterna otimista. Também me deu medo que a praia nao fosse mais a mesma. Mas aí estava: linda como sempre. Ou quase, pois na maré alta a areia desaparece. Dizem que é pelo porto, mas ninguém sabe com certeza. E como Maracaipe, a impressao que temos quando voltamos ao Brasil é que tudo está igual na essencia e que tudo está absolutamente diferente.

A mudança maior provavelmente foi o nosso olhar. Como vemos e percebemos cada detalhe cotidiano. Como já nao nos parece mais normal que o super prédio de luxo, que tem até heliporto, fique numa rua que nao tem seneamento básico. Que toda essa riqueza seja de uso privado. Dos muros para dentro, tudo é lindo, dos muros para fora é uma guerra. Aqui reina o individual sobre o coletivo e isso nunca me chamou tanta a atençao quanto nessas férias. O trânsito estao está impraticável. A rápida verticializaçao das cidades sem ser acompanhada de transporte público está transformando cidades como Recife em lugares impossíveis de se mover. Assusta. Te obriga a criar estratégias de autêntica sobrevivência. A mudar horários, de lugar de trabalho, de escola para as crianças e nós, turistas, do que se pode ver. Impressiona no mal sentido.

 Mas a essencia que nao muda está aqui também: entrar numa loja para provar uma roupa e em vez da vendedora fazer cara feia ao ver as crianças, ela pega a Carol no colo enquanto eu provo uma saia. O sorriso, a simpatia, a total falta de pressa aqui estao. Tambem o abacaxi doce, a tapioca quentinha, a agua de coco nas praias infinitas. Maravilhoso ver a cultura popular ser tao lindamente valorizada quanto no novo Museu do Sertao do Recife. Incrível rever aquele “nao sei que” que só Olinda tem. Brasil impressiona. No bom sentido.

 

Aqui continuamos nossas férias a espera de mais aventuras. Só posso dizer que estamos amando.Praia de Maracaipe

Comentar