Vou por aí a procurar.

birds

No começo era só um sonho, motivo de risada entre o casal, momento de conversa para um gozar da cara do outro, ou da outra, que teve esse lampejo delirante. E no meio da conversa, lá íamos nós para o universo virtual fazer algumas buscas, ler blogs, passear em terras distantes. Passamos horas, dias, meses pesquisando. E os pensamentos cresciam: “É, seria uma loucura no mínimo interessante, uma experiência possivelmente transformadora.”. Em algum momento esquecemos tudo aquilo. Colocamos a vida em modo contínuo e voltamos ao “vamos ver o que ela apresenta”, mas a verdade é que o que ela apresentava não era exatamente o que a gente sentia que era hora de viver.

Até que um dia acordamos querendo apresentar uma vida diferente para as crianças e para nós também. Vamos assisitir ao sol nascer, ver as águas dos rios correr, e com elas deixar nossa história fluir com um ritmo novo. João e eu casamos de novo. Eu com ele, ele comigo e as crianças junto com a gente. Assinamos um contrato de renovação completa e decidimos abrir um parênteses na nossa história. Viver um tempo em outro tempo. Atravessar o mar um tantinho mais ao leste e aprender com a vivência calma e espiritualizada do povo que vê o sol nascer mais cedo.

Mas a decisão não foi simples, nem pouco discutida. E do momento em que a ideia começou a ganhar corpo até hoje, 7 dias antes da nossa partida, foram dias e dias para tratar de toda a burocracia da mudança e, o mais importante, dividir a decisão com a família e os amigos. E confesso, essa parte de dividir era a que mais temíamos.

Esperávamos contratempos, esperávamos que alguém nos desse um bom argumento para não irmos adiante. Esperávamos que em algum ponto nos roubassem a coragem. Esperávamos que dissessem que estávamos loucos, sem juízo.

Mas ninguém, pelo menos entre aqueles que mais interessavam, duvidou da nossa decisão. Com um misto de perplexidade e surpresa em cada email, cada conversa no Skype, cada palavra que recebemos daqueles que mais nos conhecem e mais nos importam, só fizeram nossa força crescer, o sangue bombear com mais força, chegar às pernas, aos braços e aos pulmões e o corpo foi ganhando mais certeza do movimento.

A partir do dia 30, estaremos a quase 30 horas de distância de voo do Brasil, onze horas de diferença de fuso-horário e acho que nunca estivemos tão perto de todos com essa nossa decisão que, no fim das contas, é uma decisão que precisa de muito, mas muito apoio e força da família e dos amigos.

Vamos para Bali, uma ilha de gente simples, calma e espiritualizada. Ainda não sabemos se ficamos seis meses, se ficamos um ano. Mas vamos juntos, com o lema de construir, mas também experimentar uma realidade diferente. Chegaremos todos zerados, tão curiosos como as crianças que chegam ao mundo. Na nossa bagagem vão apenas quatro malas. Roupas de verão, alguns brinquedos, poucos objetos pessoais, uma garrafa de vinho bom, o batuque de Cartola, Candeia e uma vontade enorme de aprender com o tempo da natureza. Dizem que por lá pega mal pressionar o outro por conta do tempo. O “rubber time” local se sobrepõe ao “time is money”. O que vale é o tempo do plantio, da colheita, dos rituais, das oferendas.

E antes que alguém pense que não nos preocupamos com a educação formal dos nossos miúdos, a escola foi nosso grande impulso. A Green School é uma escola com uma imensa diversidade cultural, parte das famílias vem de diferentes lugares do mundo e outra é formada pela comunidade local. Sem paredes, no meio do mato, não delimita os limites entre o homem e a natureza. Lá todos temos origem na mesma essência.

O frio na barriga é monumental e só aumenta. Mas é importante agradecer a todos pelo apoio, pelas vibrações e pelo humor neste momento de metamorfose. Aliás, aviso aos navegantes que não vamos esquecer as malas desta vez. Sabemos que a distância é grande e a responsabilidade também. Temos que seguir com calma, presença e muita divisão de tarefas. As crianças estão mais crescidas e querem participar.

Partimos já cheios de saudades desse lindo pedaço que vivemos entre a festa das andorinhas no fim de tarde, o céu mais azulado da nossa história, o bom vinho (lá a bebida é sobretaxada e vinho é coisa rara) e os bons amigos que deixamos aqui na terrinha.

E se alguém por nós perguntar, diga que assim que estivermos instalados queremos falar, ouvir, trocar sobre os estranhamentos e as alegrias desta nova aventura.

Comentários

  1. Viva! Viva! Boa viagem e boas aventuras sao boas historias que contar. Felicidades nessa nova jornada. Queremos saber tudo sabre essa escola. Beijos com agua de coco aquí el Natal.

  2. Biaaaa, minha amiga… qta novidade…. OUSAR… é para poucos… somente os CORAJOSOS ousam e tiram os resultados mais ricos destas experiências…. vai com TUDO, desejo o melhor sempre! Grande beijo, boa viagem… e continue mandando seus textos… lindos!

  3. Que gostoso Bia 🙂 Um beijo e muita muita felicidade nessa fase! Vocês são demais, sempre foram, e acho que vão ter uma experiência muito foda. Admiro o desapego, esse tal, que só faz é nos deixar melhores! Posta mais, quero acompanhar! Carol Lara

  4. O que poderia comentar sobre seu texto filha?Tantas coisas,tanta emoção que sinto por te ver cada dia mais maura,enfrentando a vida de uma maneira impar..!!!??
    Mas o mais importante,é que está tudo que disse lindamente e tão consciente,só me faz ter mais orgulho de você,e que vou estar sempre torcendo para que tenham a melhor das experiências nessa vida!!!
    Espero só acertarmos os ponteiros dos nossos relógios,para que eu não perca muito tempo sem falar com vcs e meus ,netos tão amados!!!
    Bjos e sejam muito muito felizes nessa nova empreitada….

  5. Bia, a vida me provou que só devemos nos arrepender daquilo que não fizemos, não tentamos. Vocês são jovens e têm uma vida pela frente. É o momento de tentar, de experimentar. Ainda mais que por uma grande causa. Vão em frente. A única coisa que pode acontecer é de concluírem que não é isso que querem. E aí, retornam. Mas jamais vão ficar com aquela dúvida de “será que devíamos ter seguido nossa intuição?” Boa sorte a vocês e tenham certeza que será bom. Que tenham uma linda experiência! Beijão a vocês.

  6. Que maravilha de texto, e que coragem!!! Gostaria de ter vivido uma aventura assim quando mais moça, mas admiro muito que consegue largar tudo e partir para o desconhecido!! Sejam muito felizes!!

  7. Bia, sou fã de vocês. E estou segura que vai ser uma experiência transformadora para todos. Viva intensamente essa linda oportunidade e , por favor, compartilhe com a gente. Daqui estaremos ansiosos pra saber de tudo, e mandando as melhores vibrações sempre. Semoga sukses. Terima kasih.

  8. Bia, PARABÉNS pela decisão! Que bacana!!! Continua mandando notícias que eu ADORO saber de vcs. Vou escrever pra você depois uma história linda que vivi lá em Bali. Com certeza é um lugar onde “coisas acontecem”. é muita espiritualidade e uma relação com a vida e com o trabalho completamente diferentes. Fico muito feliz por vcs. Um beijão pros 4 = NAMASTÊ =)

  9. Que a nova etapa de suas vidas, seja abençoada de boas energias, protegida pelos anjos protetores, e concreta nos objetivos pretendidos!!! Sonhos são pra serem realizados, sonhos são para serem vividos, sonhos são para serem sonhados… Aproveitem!!!

  10. Bia querida !! Quanta emoção jorra do seu texto, que beleza a sua sensibilidade, sutileza, coragem, determinação de expor seus sentimentos, sem medo de ser feliz !!! Que delicia poder deixar as asas crescerem e tirar o peso das costas !!! quanta ousadia mulher !!! Tenho muito orgulho de você !!! Um beijo muito querido e aproveitem muito esta rica experiência !! Mande notícias assim que se acomodar por lá !!! Uma beijoca muito querida !!

  11. Muitas felicidades nesta nova fase e espero que esteja tudo a correr bem… Muitas saudades e muita vontade de um dia ter a vossa coragem… Um exemplo de Família <3 um beijinho a todos e um especial ao Bento "menino brasileiro do meu coração".

Comentar