Auguri!!!

Semana passada foi nosso aniversário de 5 anos de mudança do Brasil. E também foi aniversário de 2 anos  de Milão.

Percebi que já contei  aqui algumas histórias sobre a Espanha, mas ainda não contei nenhuma história nossa na Itália.

Ah a Itália… ( suspiro).  Antes de mais nada quero deixar claro, eu ADORO viver aqui. Tá bom, eu sou facinha (apesar de sempre me fazer de difícil no começo), e até agora me apaixonei perdidamente pelos lugares onde vivi. Mas a Itália, ah, a Itália…e vou ter a chance de contar mais para vocês. A Itália tem um algo mais para mim.

Sabe sua família, que você conhece todos os defeitos, que você pode falar mal, mas os outros não? Pois é, assim é a Itália pra mim. É intenso, eu sei.

Pense em todos os estereótipos de como pode ser viver na Itália… solta a tarantella DJ! Sim, é real.

A Itália é o melhor lugar do mundo para se viver, se você não tem um problema. Dizem que aqui você chora duas vezes: quando chega  e quando vai embora. Uma eu já chorei.

Chegar da Madrid, uma cidade em que tudo funcionava, na caótica Itália foi literalmente um terremoto na minha vida. No final dos  primeiros 3 meses tínhamos na conta: um terremoto, roubo de 1 das 3 bicicletas que me levaram, Lucca perdido 2 vezes pela escola, roubo de minha carteira de dentro da bolsa no supermercado, um mês inteiro de chuva, frio, além de todo o resto que significa chegar em um novo país. Das pequenas às grandes coisas, da burocracia ao produto de limpeza a escolher. Isso tudo com Miguel girando o mundo. Vá benne… Melhor de uma vez só do que aos poucos.

Se por um lado, todo esse casino é cultural, pelo outro, todo o resto de coisas boas, e que  particularmente valorizo muito, também é cultural. E no fim o saldo é muito, mas muito positivo.

Aqui nos acolheram como parte da família. E não esqueçam, na Itália a “famiglia” é A instituição. Mais importante que a Igreja católica e o futebol.

Claro, somos os brasileiros e nunca deixaremos de ser. Mas temos a nítida sensação de estarmos em casa.

Em um sábado pela manhã, antes mesmo de terminar o primeiro mês que vivíamos aqui,  o interfone de nossa casa tocou. “Ué, mas quem tá chamando?”  Lá de baixo Edu, um menino que morava no bairro, 2 anos mais velho que Lucca, o chamava para jogar futebol na praça. Do lado de cá do interfone, eu disse: “é que eu não posso descer com Lucca agora “, e escutei, “Mas meu pai está aqui , ele cuida da gente, per favore!?…”. Muito além desse exemplo, aprendi que aqui na Itália a criança é patrimônio público, mais bem cuidado por toda a comunidade que as praças, ruas e parques. Afinal, este é o país  da Mamma! E isso tem seu lado bom, assim como tem seu lado ruim.

Quando você pensa na Itália, duvido que pensa em Milão. A menos que você seja do ramo da moda ou do design.

Milão é uma senhora  elegante e caprichosa. Não é óbvia, e guarda suas melhores jóias escondidas. Mas, se você mostrar que merece, ela te mostra todas suas preciosidades.

Não é uma cidade para simplesmente se conhecer . É uma cidade para se descobrir. Uma porta pequena de um prédio antigo pode guardar uma loja+restaurante+hotel super exclusivos , com linhas desenvolvidas pelos melhores designers  do mundo, que você não vai encontrar em outro lugar.

A cidade te surpreende.  Nunca imaginaria que aqui tivesse canais como em Veneza, mas artificiais, desde o século XII. E  que a sua construção teve a participação de Da Vinci. O Navigli liga Milão ao oceano. E mais uma de suas curiosidades é que o mármore usado para a construção do Duomo chegou por ali. Ainda  hoje o Navigli, além de bello, é muito usado. Só que agora por barcos turísticos e escolas de canoagem .

Imagem

 

Foto: Naviglio grande no outono.

E mesmo depois de dois anos, a cidade continua a me surpreender. Como em uma manhã, ao levar Lucca para a escola vi um dos  campos de plantio, que fica a 20 minutos de carro do centro, amanhecer todo florido… e repito, TODO florido. Não dava pra não parar imediatamente o carro, alla italiana, num lugar proibido, só pra tirar uma foto.

Imagem

 

Foto: Campo de Plantio florido.

Mas Milão pode ser  também  uma cidade muito objetiva, e  te contar logo ao que veio. Pense numa doceria e sorveteria chamada Paradiso? Claro que ela não é obvia, e se trata também de uma portinha do lado de uma igreja, numa calçada bem estreita, estrategicamente posicionada perto de nossa casa. A cada estação do ano, os sorvetes disponíveis são das frutas  que têm a venda na frutaria vizinha da doceria. É o melhor sorvete de Milão! Sem brincadeira. E não me canso de falar isso para as duas senhorinhas proprietárias cada vez que vou lá.

E  o Duomo?! Que maravilha! Não importa meu destino, se a parada é a do Duomo, saio sempre pela escada  do metrô que dá de frente para a catedral. Só para me maravilhar de novo. Que gratidão!

Quando fizemos um ano de Milão, escrevi uma mensagem que resume um pouco dessa experiência: Milão soa música que vem dos sinos das igrejas. Milão tem cheiro de jasmim na primavera-verão, do cheiro de terra úmida no outono- inverno. Milão de vários tons que vão do cinza ao azul clarinho de céu. Milão dos deliciosos sabores que se marcam em nossos corpos e almas. Milão de bons amigos que nos conquistaram e nos fizeram querer rápido chamar esse lugar de casa. Essa é a minha Milão.

Aqui  aprendemos e vivemos em mais uma língua. Ou melhor, duas, porque também se fala com as mãos. Ma dai!  E a primeira vez que vi Lucca falar com seus amigos só com gestos, sem trocarem uma palavra, pensei… agora danou-se, já estamos totalmente adaptados.

É uma festa  diária dos sentidos. E nem quero comentar sobre todo o resto da Itália, porque senão posso ficar horas  contando e contando e contando…  E se for com um bom vinho nacional, dias e dias e dias.

Ah a Itália…. como eu amo esse lugar e sou grata por tudo o que vivo aqui.  Grazie mille Milano, ti voglio molto benne.

Comentários

  1. Anaaaaa, que vontade que dá de ir correndo para a Itália. Adoro essa terra de gente quente, que gesticula, que briga, mas que se ama e adora a Mama. Depois de Portugal acho que fiquei meio desacostumada com os roubos e afins, mas a Itália é realmente a terra dos sentidos. Se existe essa coisa de reencarnação, alguma vez na vida devo ter vivido por esses seus lados. Auguri. Beijos. Bia

  2. Bia, pois venha, estamos de braços abertos! Mas uma vez por aqui, só tenha cuidado com sua bolsa. kkkkkk! Aconteceu igualzinho comigo. Na Espanha eu tinha me desacostumado com os roubos. Deu nisso, pra ficar esperta e cair na real rapidinho. Grazie cara . baci

  3. Amo essa terra!! Uma das melhores férias da minha vida foi no Lago de Garda. Dava vontade de chorar de tao bonito. Próximo ano, em que completarei 10 anos de casada (!!) a comemoraçao vai ser em Roma. Já fiz o Nacho prometer.

    • Rosane, o lago de Garda lindo é mesmo. Lucca tem um torneio de futebol no fim de semana do dia 01/05 lá, vou lembrar de vc quando estivermos por la. Faça isso mesmo, Nacho tem que prometer de vcs virem pra cá. E se quiser umas dicas de outros lugares maravilhosos pode contar comigo, que adoro fazer isso. beijo grande

    • Posso dar uma dica de livro que tem tudo sobre império Romano de uma maneira leve? Roma: ascensão e Queda do Império Romano de Simon Baker . É bem bacana. Maravilha Natal em Roma. Coloca energia que rola! beijo grande Lívia!

  4. Mel está louca pra conhecer a Itália!! Queríamos muito aproveitar vocês aí, masss a Dilma e o Mantega, dólar em alta, Copa, ações em queda e a UPP da Favela da Maré estão adiando nosso sonho ;( Só digo uma coisa: somos brasileiros e não desistimos nunca! rsrs Bjoss!

Comentar