From abril, 2014

A Cuca te pega!

E se não for porque você se apaixonou por ela, é porque ela não gostou de você. Cuca, nossa cachorra de 14 anos, aquela que nos acompanha em nossas idas e vindas, é assim. Geralmente avança nas canelas de garçons, porteiros, encanadores e afins. Todos que possam ameaçar a tranqüilidade de nosso lar, ou de sua matilha, no caso, nós. Na maioria das vezes, Cuca não gosta de outros exemplares da mesma espécie. Escolhe seus amigos cães a dedo.  Pela descrição parece antipática, mas não é. É só uma salsichinha cheia de personalidade. Sei que muita gente vai achar que…

Zaragoza

Sempre digo que uma das boas coisas de morar em Zaragoza é que aqui só nos visita quem  realmente quer ver-nos. Aqui não vem o amigo do vizinho, nem aquele conhecido que tomou uma cerveja comigo no Posto 9 há dez anos atrás e que descobre de repente que morre de saudades da minha pessoa. Coisa que certamente passaria se nossa moradia estivesse em Barcelona ou Madrid. Teria que aprender a dizer não, coisa sempre difícil para uma brasileira, principalmente para uma filha de nordestinos. (Uma das coisas que mais admiro nos espanhóis é sua facilidade para dizer simplesmente não.…

A Rainha de Copas

No meu recente silêncio, tenho lavado muita roupa e feito feijão. Recebi a sogra, as crianças estão de férias e eu numa espécie de caverna, onde às vezes fica bem escuro. Cadê você Beatriz?Sou de Sagitário e acredito e em todo essa essa conversa lado B com quem raramente tenho com quem falar. Gosto de brincar com fogo e da luz do dia, mas ultimamente meus pés tem preferido pisar na grama e sempre que faço as unhas, pareço gostar de estraga-las em seguida enfiando a mão na terra. Passamos muito tempo no jardim e ele foi se enroscando pelas minhas pernas…

O coração tem razōes.

  Foto: Três chapéus, três sorvetes, dois avós e tanta alegria…   Viver fora faz a gente querer aproveitar todas oportunidades de ficar perto de quem ama. Principalmente da nossa família. E mais ainda dos nossos velhos.  E tem uma coisa que  aprendemos há um tempo: para potecializar a sensação de que convivemos mais com eles, preferimos que eles venham para cá. É até um pouco egoísta, mas aqui a gente garante exclusividade. Não precisa ficar negociando com todas as interferências da rotina deles, nem competir com a atenção de ninguém. Sem falar dos milhões de compromissos que nós temos quando…

Chegadas e Partidas

  Completamos um ano em Pequim no mês passado. E já começo a sentir um frio na barriga. Um ano e o que eu fiz? O que ainda quero fazer? Começo minhas infindas listas mentais dos lugares que quero visitar, das aulas que quero fazer, dos temperos que ainda preciso experimentar… Tá certo que no início foi complicado, com a adaptação das crianças nas escolas, mudança para apart-hotel até achar uma casa, mudança para a nova casa e muito trabalho. Afinal, eu também havia sido transferida e precisava produzir e entregar resultados. A adaptação foi tranquila de início, mas com…

Auguri!!!

Semana passada foi nosso aniversário de 5 anos de mudança do Brasil. E também foi aniversário de 2 anos  de Milão. Percebi que já contei  aqui algumas histórias sobre a Espanha, mas ainda não contei nenhuma história nossa na Itália. Ah a Itália… ( suspiro).  Antes de mais nada quero deixar claro, eu ADORO viver aqui. Tá bom, eu sou facinha (apesar de sempre me fazer de difícil no começo), e até agora me apaixonei perdidamente pelos lugares onde vivi. Mas a Itália, ah, a Itália…e vou ter a chance de contar mais para vocês. A Itália tem um algo…

Toureiros, tanques e janelas

Na Espanha, o dia de azar é a terça-feira 13 (!!). O dia da mentira é 28 de dezembro e não o 1º de abril. Aqui, quando em um dia se celebra algum santo, a tradição manda que você telefone para a pessoa que tenha o nome desse santo e lhe felicite. Tipo: no dia de São José, você deve mandar uma mensagem para todos teus amigos Josés e amigas Marias Josés e dizer: “_ Felicidades por teu santo!” Estranho, não? Quando mudamos de país passamos outra vez a ser analfabetos. Não por apenas intuir a língua, mas por não…

Maternidade maturada ou como é bom (e difícil) crescer com eles

Danilo tem 16 anos. Foi ele quem fez nascer a maternidade em estado bruto em mim. Não foi fácil. Aos 25 anos, eu tinha o mundo aos meus pés. Ou, pelo menos, achava que tinha. E com essa dúbia e frágil certeza acreditava que podia desbravar qualquer terreno, ser o que eu quisesse. Quando me descobri grávida dele, um mundo de oportunidades desapareceu, outro mundo de possibilidades apareceu. Boas e ruins. Fiquei dividida entre elas, não gostei de ver meu corpo mudar tanto, nem de perder o pseudo controle sobre as minhas emoções. No pós-parto, procurei ajuda terapêutica e nela…

Viva!

Era um domingo chuvoso, ficamos de molho, curtindo a calma da casa aquecida, o barulho da água a cair, os álbuns dos bichos e os pacotes de figurinhas que tínhamos comprado no sábado. Eu preparei as refeições, lavei as roupas, passei muito soro no nariz e fiz nebulização nos miúdos. Ninguém com febre, só um resfriado chato (ou constipação, como estranhamente dizem aqui). Brincamos um pouco e estava preocupada com os mantimentos que faltavam para o jantar. Saí para ir ao mercado e deixei a dupla com o pai. Quando voltei, eram só alegria. Vicente tinha acordado da sesta, os…

A menina que odiava livros

Muito legal esse videozinho sobre a menina que odiava livros. Livros que ocupavam a casa toda, livros que faziam os pais se divertirem, livros que levavam o gato da menina às alturas. Até que um dia, os livros a irritaram muito mais e ela teve que dar um jeito. Descubram!