Quero a comida do jardineiro

Imagem

Minhas amigas de blog já fizeram ótimos textos a respeito da alimentação fora do Brasil, e estava faltando o meu…
Nesta casa sempre se comeu de tudo. Se o menu é peixe, feijoada, bacalhau, lombinho, espinafre, todos devem comer. Quem não quiser, tudo bem, mas com consequências: nada de lanchinhos depois. Quem não come, fica com fome. Temos sorte porque eles até que são bons de boca e os “verdinhos” que agora deram pra implicar, acabam indo na base da contação de histórias sobre um tal “Marquinhos” que uma vez inventei e já viveu mil e uma na minha mão.
Quando chegamos aqui, confesso que fiquei maravilhada com os supermercados, muito mais parecidos com os europeus que com os do Brasil. Uma oferta imensa de produtos orgânicos, limpíssimos, variados e cheios de novidades. A primeira vez que fui procurar arroz, fiquei abismada com um corredor enorme e gôndolas abarrotadas de todos os tipos e procedências. Carne, frango, ovos e hotifruti sempre com o país de origem indicado e estava lá, a nossa deliciosa manga Palmer também. Carne de porco é proibida aos muçulmanos e por isso fica em uma seção separada e não tem e todos os mercados. Comprei um lombinho britânico no reveillon que valeu cada dirham. Aqui em casa a comida é a mesma do Brasil: arroz, feijão, legumes, verduras e alguma proteína (que eu, me forço a comer, porque vontade mesmo, só tenho de comer peixe, ovo e frutos do mar).
O que me pegou foi a responsabilidade de preparar o almoço deles para a escola todos os dias. Fiz uma lista de combinações e mantenho os dias da semana religiosamente. Domingo é dia de ovo, segunda carne, terça frango, quarta peixe e quinta sanduíche. Faço “variações sobre o mesmo tema” e colo na porta da geladeira, junto com o planejamento do café da manhã, lanche da escola e jantar. Levo uma meia hora fazendo isso, mas flui muito melhor na correria e compras no supermercado. Busquei inspiração aqui, onde fiz o download de um pdf com o planejamento semanal e mensal. Tem dado certo. Fim de semana, que aqui é sexta e sábado, ou o Pedro faz um churrasquinho ou almoçamos fora, pra me tirar um pouco da função. 
O que estou louca para provar são as comidas que não conheço e que vejo o pessoal da Jordânia, Turquia, India, Sri Lanka e Paquistão colocando no carrinho…. Isso sim! Tem tantos tipos de queijo, de ervinhas, um tal de labneh e laban que é um misto de iogurte salgado com queijo que me dá água na boca, mas ainda não me aprofundei na pequisa para preparar. E os jardineiros então? Quando saio para correr de manhã, eles estão sentadinhos lá, debaixo de alguma árvore com aquela comida cheirosa, temperada… Um dia ainda peço um pedaço no meio do trajeto! 
Outra coisa bacana aqui é que eles têm hábito de comer frutas, o que eu adoro e as crianças também. Em todo lugar tem lojinha de sucos, como no Rio, com tudo feito na hora. Falta mesmo, só sinto de mate e pão de queijo, mas o segundo acho até bom, pra não perder a linha!

Comentários

  1. Beatriz, q vontade de ir nesses supermercados! Nossa próxima passagem pro Brasil será via África do Sul. Mas, se vc continuar postando sobre iogurtes e frutas, a seguinte vai correr sério risco de ser via Dubai.

Comentar