O que tem que ser e o que é para ser

mae_klimtQuando descobri que ia ser mãe pela primeira vez fui apresentada a um sem número de ”tem que ser” pelos ditadores da maternidade.

Você sempre vai ter alguém para ficar repetindo esse mantra da tortura no seu ouvido:

Tem que engordar só nove quilos, ter parto normal e amamentar até o bebê ter dois anos.

Tem que fazer exercício, alongar, caminhar, nadar e fazer ioga porque gravidez não é doença.

Tem que lavar as roupinhas à mão, ter todo o enxoval pronto meses antes.

Tem que colocar o bebê para dormir sozinho no quarto, ensinar ele a dormir sozinho, só dar papinha caseira.

Tem que voltar a trabalhar após quatro meses, estar sempre linda e magra, feliz da vida, bem disposta para o marido, seu bebê, a família, os amigos.

Felizmente, não foi nada assim.

Os mitos da maternidade foram caindo por terra e fiz do meu jeito, do jeito que consegui, do jeito que é para ser.

Foi sofrido. Muito. Porque de tanto ouvir, de tanto saber de mãe-que-teve-parto-normal-igual-a-índio-amamentou-deixava-o-filho-no- berço-para-dormir-sozinho-desde-os-15-dias-de-vida- nunca-deu-uma-chupeta-para-a-criança-engordou-só-oito- quilos-dormia-a-noite-inteira-conseguia-ir-ao-cinema-sem- dormir-no-trailer-cozinhava-todas-sopinhas-do-bebê- colocava-o-filho-na-creche-sem-culpa-e-transava-cheia-de-tesao-todos-os-dias, você acha que tem que fazer igual.

E você passa uns maus bocados por isso. E pior: seus filhos e o mundo ao seu redor também.

Por isso, amigas, ouçam bem: as pessoas mentem!

Ninguém é capaz de tudo isso. Tudo isso junto, não.

Tive parto normal e cesárea, amamentei exclusivamente e dei mamadeira, botei criança para dormir no quarto e na minha cama. Dei papinha industrializada e papinha da empregada. Engordei nove quilos de uma vez, dezoito em outra, treze na última. Usei a maldita cinta para dormir e não usei durante um mês porque ela não entrava. Fiquei meses sem conseguir pensar em sexo. Deprimi.

Sobrevivi. Fui feliz. Do jeito que dá para ser, apesar da lista de regras, apesar das pessoas que insistem em sussurrar em nossos fracos e inseguros ouvidos.

E o que de melhor ficou: faça do jeito que você conseguir, porque você é a melhor mãe que seu filho pode ter.

E deixe as mães ao seu redor livres para serem o que conseguirem ser.