Baile de máscaras

Image

 

PM2.5, índices de poluição, máscaras, purificadores de ar… Desde que chegamos aqui, nossa família foi adquirindo um vocabulário peculiar de quem vive numa cidade assustadoramente poluída. O ar é sujo, mal cheiroso, há poeira por toda parte; a água é pesada, contaminada, não serve nem para cozinhar.

Quase todo mundo (ou pelo menos os expatriados), tem aplicativos no celular que mostram o nível de poluição no ar (como o PM2.5, que é o termo usado para as partículas suspensas, como poeira, pó, fumaça). O governo chinês divulga um número e a embaixada americana divulga outro. Há sempre uma diferença. Hoje, por exemplo, para o governo chinês, está em 252, altamente poluído. Já para a embaixada americana, seria 361, perigoso.

Nos dias em que o número da embaixada chega a 200, as atividades escolares externas são interrompidas e usamos máscaras ao sairmos de casa. A escola das meninas está construindo um “domus” com potentes purificadores de ar que permitiriam às crianças um pouco de atividade ao “ar livre”. Atualmente, eles ficam restritos às salas de aulas, assistem filmes na hora do recreio por não poderem ir ao parque externo em dias poluídos.

Em casa, investimos em três purificadores potentes (e consequentemente, caros). Ficam nos quartos das crianças e na sala de TV. Já acostumamos com o barulho. E o jeito é se preparar para ter muitas atividades em casa: jogos, quebra-cabeça, filmes, receitas para as crianças ajudarem… É complicado, mas também nos fez valorizar cada dia de céu azul.

*****

Image

Essa semana, circulou no facebook (via sites como o Huffington Post, Time, Daily mail e CBS) uma imagem que teria sido feita na Praça Tiananmen, aqui em Pequi, onde um painel gigante estaria transmitindo o por do sol num dia de muita poluição. Poucos se deram ao trabalho de explicar melhor a foto. Na verdade, trata-se de um anúncio para a provincial de Shandong que é veiculada diversas vezes ao dia durante muitos dias da semana, independente do nível de poluição.

A verdade é que tudo o que se publica sobre a China chama a atenção no mundo inteiro, sejam números sobre o crescimento econômico, ou uma bizarra cena de um casal nu carregando uma boneca inflável correndo pelas ruas de Xangai. Mas, há pouquíssimo tempo que a qualidade do ar tem chegado as manchetes dos principais jornais do país.

Aqui em Pequim, uma cidade com 20 milhões de habitantes, o governo diz investir milhões na melhoria da qualidade do ar. Mas, há questões complexas como a fonte de energia ser altamente poluente (carvão) e o fato de haver muito automóvel na rua.  Fora a questão geográfica: a capital está próxima ao deserto de Gobi, de onde vêm as tempestades de areia. Tudo isso faz do vento e da chuva nossos melhores aliados. Mas não chove há uns seis meses…

Sim, os dados são alarmantes, mas não tão diferentes de casos na Irlanda, na Inglaterra, nos Estados Unidos e Cubatão. Lembrem-se de que o crescimento e a industrialização da China ainda são muito recentes. Portanto, eles ainda estão engatinhando no conceito de sustentabilidade.

 

Comentários

Comentar